Rss Feed Tweeter button Facebook button Linkedin button
10/08/2020
|

Com mais demanda que oferta, escritórios ficarão mais caros em SP a partir de 2015

Posted by Fred Rangel
Comment
19
mar

Março/2014 – InfoMoney

A previsão é do levantamento Real Estate Report, elaborado pela consultoria EY.
SÃO PAULO – Com a desaceleração no ritmo de construção de novos escritórios na região metropolitana de São Paulo, observada desde 2013, a demanda deve superar a oferta de imóveis em quase 300 mil metros quadrados em 2015, pressionando os preços de locação. A previsão é do levantamento Real Estate Report, elaborado pela consultoria EY (anterior Ernst & Young).
Considerando um cenário de crescimento de 2% do PIB ao ano, a partir de 2015, a demanda projetada será de mais de 1,8 milhão de metros quadrados, enquanto a previsão de oferta será pouco mais de 1,5 milhão de metros quadrados. Com isso, o preço dos aluguéis praticados deve ultrapassar os R$ 140 por metros quadrados já a partir de 2014, com tendência de alta até 2017, que deverá ultrapassar R$ 170 por metro quadrado, explicou o estudo.
“Num primeiro momento, que teve início em 2012 e se estende até 2014, a oferta de imóveis supera a demanda”, disse o coordenador técnico do estudo, Viktor Andrade. “Esse período é marcado pelo boom da construção verificado nos últimos anos, e o mercado ainda está absorvendo essa grande oferta.”
De acordo com Andrade, numa fase seguinte, entre 2015 e 2017, o cenário se inverte. Com a redução no número de novas obras, a demanda que continua a expandir e irá superar a oferta. “O efeito disso é o aumento nos preços de venda e de aluguel”, analisa Viktor Andrade.
Rio de Janeiro
O levantamento da EY também prevê para o Rio de Janeiro um aumento da oferta de escritórios em 2014 e 2015. No entanto, a demanda seguirá consistente, mantendo a pressão de alta sobre os preços dos aluguéis.
O preço de demanda projetado para os aluguéis no Rio pode ultrapassar R$ 180 por metro quadrado ao mês a partir de 2014. Setores estáveis como petroquímico, telecomunicações, serviços básicos e públicos e comércio exterior devem puxar o crescimento da demanda e absorver a oferta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *